domingo, 17 de julho de 2016

avocado on your land as soon as possible

Bom dia,

Gostaria de colher abacates no seu terreno o mais breve possível?
Podemos ajudar a atingir esse objectivo.

Em 2013 iniciámos uma recolha de informação sobre localização de abacateiros em Portugal que está disponível no blog
http://abacateportugal.blogspot.com/

e plantámos abacateiros em Chão Sobral (Monte Colcurinho / 1240 mts), a uma altitude de 550 metros e latitude 40º,
bem perto do cume da Serra da Estrela. Ver no mapa https://goo.gl/maps/GkYGPQVzfJu
Passados 3 anos, já vemos abacates a crescer



 Neste Inverno passado, tivemos neve sobre o abacateiro que agora tem abacates:




Muitas pessoas já recolhem o fruto dos seus abacateiros que plantaram casualmente ou por habilidade.
Em algumas zonas de Portugal é fácil produzir noutras pode ser necessário um pouco mais de investimento e conhecimento.
Fica o desafio e apelo para que plante um ou muitos abacateiros, se necessário peça ajuda a quem estiver próximo ou entre em contato connosco.

Os nossos cumprimentos,

https://ecotrabalho.joomla.com/26-gostaria-de-colher-abacates-em-2020



Good day;

Would you like to harvest avocado on your land as soon as possible?

We can help you do that.

In 2013 we started gathering information on the location of avocado trees in Portugal which is available at
http://abacateportugal.blogspot.com/

and planted avocado trees in Chão Sobral (Colcurinho peak / 1240 mts), at an altitude of 550 mts and 40º latitude, quite close the Serra da Estrela. Check the map https://goo.gl/maps/GkYGPQVzfJu

3 years have past and we see fruit growing.

Last winter we had snow on this same tree which now has fruit hanging.

Many people already harvest avocado fruit on  trees they planted themselves casually or with skill.
In some regions in Portugal it's easy to grow them, in other places a little more investment and knowledge.
We bring you the challenge and request for you to plant one or many avocado trees, if needed take the help from who is near or get in touch with us.

Best regards,

--
João Gonçalves

"Ao comprar ou consumir de forma ética também está a intervir na paisagem e a decidir quem tem trabalho."

"Eating is an agricultural act"  -  "Comer é um acto agrícola" - Wendell Berry

"Permacultura (Cultura Permanente) é um sistema ético de design ecológico."

(+351) 96 96 80 009
Chão Sobral - Oliveira do Hospital - Serra do Açor - Portugal
http://ecotrabalho.com/
http://permacultureglobal.com/users/902-joao-goncalves
http://chaosobral.org/index_pt.htm
http://www.youtube.com/joaovox
http://agricultura-familiar-tradicional.blogspot.pt
https://picasaweb.google.com/joaovox
http://picasaweb.google.pt/uniprochaosobral

Para descobrir:
Documentário "Alface" na Aldeia das Amoreiras
http://vimeo.com/58999047
Permacultura na Serra do Açor - Portugal
http://permaculturinginportugal.net/blog/
"Comida que nunca acaba" / Permacultura no Malawi
http://www.neverendingfood.org/
Centro de Ecologia Integral
http://www.integralecology.org
Nyumbani - Kenya
http://www.nyumbani.org/about-us












sábado, 16 de julho de 2016

Petição para o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos

Petição para o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos

pedindo o fim imediato da extração forçada de órgãos de praticantes de Falun Gong na China



Hearing in EU Parliament on Update on Organ Pillaging/Trafficking in China
David's Notes for EU Parliament hearing

quinta-feira, 7 de julho de 2016

Ética à mesa - dia 9 Julho - Lisboa


É T I C A   À   M E S A
F i l m e    +    D e b a t e    +    J a n t a r
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
Sáb 9 JUL  | 17h | MIAU - Espaço Alvito
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

Programa:

17:00 - Inauguração da Loja Grátis da MIAU
Aceitando o desafio da CASA VERDE, a MIAU inaugura na sua sede, o Espaço Alvito, uma pequena Loja Grátis onde o espírito é "passa ao outro e não ao mesmo".
Contribua para a Loja Grátis, trazendo o que tenha em casa, em bom estado e de que já não precise.

17:30 - COOKED, de Michael Pallin (48')
Documentário sobre a ética à nossa mesa.

18:30 - Debate
Moderador: Engº Nuno Alvarez (Cooperativa Tílias, Hospital Júlio de Matos)

20:00 - Jantar Ético
Refeição preparada com alimentos provenientes de agricultura biológica, local e familiar, de origem conhecida.

Ementa:

Entradas: Pão artesanal do Souto Queimado e Azeitonas de Chão Sobral
                 Sopa de Legumes

Prato Principal: Atum dos Açores c/ Arroz de Verduras
                         ou
                         Risotto Verde c/ Salada Silvestre e Trigo Sarraceno Germinado

Sobremesa: Fruta da Época
                    ou
                    Sobremesa Doce (sem açucar processado)

Bebidas: Chá de Alecrim e Limão ou Cevada
                Refresco Artesanal de Limão de Chão Sobral
                Vinho Biológico

  •  
  • Custo da refeição: 10 € | Crianças (até 12 anos): 5 €


    Local: Espaço Alvito - Sede da MIAU Associação Cultural


    Morada : Espaço Alvito, Bairro do Alvito (Edifício Central), R/C Dt.º, 1300-052 LISBOA


    Informações e Reservas:
    Para preparar uma refeição sem desperdício alimentar, é obrigatória a reserva do jantar, até sexta-feira dia 8 de julho, às 18h00, para:

    CASA VERDE - Cozinha Ética
    A/C: Mónica Barbosa
    Tmv: 936810765


    Parceria: CASA VERDE Cozinha Ética e MIAU A.C.

        


    Nota: Para saber mais sobre a equipa e sobre Cozinha Ética, visite o site ecotrabalho.com.



    Esperamos poder contar com a vossa presença e agradecemos desde já toda a ajuda na divulgação desta iniciativa.

    Saudações éticas,

    A MIAU

    quinta-feira, 14 de janeiro de 2016

    Árvores à venda em Chão Sobral 2016 - Trees for sale


    Consulte a lista atualizada, na seguinte página:

    http://agroecologia.joomla.com/arvores-trees






    Foto de abacateiro enxertado plantado em Chão Sobral em Abril de 2013.
    Photo of avocado tree planted in Chão Sobral in April 2013.

    segunda-feira, 5 de maio de 2014

    Introdução à Permacultura




    Uma introdução à Permacultura
    O conceito "permacultura", exposto pela primeira vez em livro em 1978 na Austrália por Bill Mollison e Dave Holmgren (1)   (um professor na universidade e o outro estudante de design ambiental), uniu os termos "permanente" e "agricultura". Designava um novo sistema interdisciplinar de planeamento/design ético, ecológico e funcional, para a escala humana e local, que ambos começaram a formular e a implementar no terreno, em meados dos anos 70.

    Após a segunda guerra mundial,
      com tanques transformados em tractores e a indústria química da guerra e do petróleo reorientadas para a produção de fertilizantes e pesticidas, a agricultura industrial avançou sobre o planeta e mostrou o seu poder destrutivo sobre os solos e a biodiversidade dos ecossistemas terrestres. Que fazer? Para intervir na sociedade e divulgar esta nova metodologia positiva por todo o mundo, Bill Mollison cria o Instituto de Permacultura e o Curso de Design em Permacultura. Nos anos 80 leva este curso a alguns países "pobres", como Zimbabwe, Índia, Botswana e Brasil. O objectivo era treinar formadores, criar centros de demonstração e formação, e promover a disseminação descentralizada. A permacultura começava por ser aplicada primeiro na vida dos "permacultores" e depois usada no planeamento de "eco-aldeias", projectos comunitários e de escala comercial.

    No cerne da permacultura estão os imperativos éticos de consciência e de responsabilidade pessoal perante a exploração e destruição da Terra e a interrogação "os nossos filhos e netos vão herdar um planeta em melhor estado do que aquele que nós encontrámos?". É uma atitude radical que rejeita a organização económica apenas orientada para a maximização do lucro financeiro e mostra alternativas à agricultura de escala industrial (aquela que movimenta quantidades massivas de energia e “matéria-prima” de um continente para outro, escalas de produção ligadas à insustentável, ineficiente e poluente "máquina"-indústria do petróleo e seus derivados combustíveis, fertilizantes e pesticidas).

    No Manual de Permacultura (2), em 1988, Bill Mollison definiu:
    "Permacultura (agricultura permanente) é o design e manutenção conscientes de ecossistemas agriculturalmente produtivos, que têm a diversidade, estabilidade e resiliência de ecossistemas naturais. É a integração harmoniosa entre paisagem e pessoas, satisfazendo de forma sustentável as suas necessidades de alimento, energia, abrigo e outras necessidades materiais e imateriais. Sem uma agricultura permanente
    não existe a possibilidade de uma ordem social estável.
    (...)  é um sistema de integração de componentes conceptuais, materiais
    e estratégicos num padrão que funciona para beneficiar a vida em todas
    as suas formas. A filosofia subjacente à permacultura é a de trabalhar com e não
    contra a natureza; de longa e ponderada observação em vez de uma
    acção irreflectida prolongada; de ver os elementos dos sistemas em todas as suas
    funções, em vez de requerer deles apenas um produto; e de permitir que
    os sistemas manifestem as suas próprias evoluções.
    (...) A Base Ética da Permacultura. 1. Cuidar da Terra 2. Cuidar das
    Pessoas 3. Fixar limites ao crescimento populacional e ao consumo:
    Governando as nossas próprias necessidades, podemos dispor de recursos
    para apoiar as duas primeiras éticas."





    "Árvores e plantas anuais e perenes em pequenos espaços: Maximizar o rendimento através da maximização da captação de energia solar, durante todo o ano, através do empilhamento vertical e sinergias entre plantas úteis abaixo e acima do solo é um dos princípios da permacultura".


    Durante os anos 80, o foco deixou de ser somente a regeneração ecológica, a gestão do ambiente e seus recursos materiais, para abranger também o planeamento dos sistemas que satisfazem as necessidades humanas básicas: saúde, tecnologia, construções, energia, educação, finanças, economia, organização comunitária, jurisdição e política. Com a ampliação do leque interdisciplinar, a permacultura passou a ser definida como um sistema de planeamento que visa uma "cultura-permanente", além de uma "agricultura-permanente".

    O processo de planeamento implica as tradicionais fases de observação-diagnóstico, análise, proposta, implementação, e monitorização-avaliação. Nele são conceitos e valores centrais: observar extensa e perspicazmente, respeitar a Natureza e tomá-la como modelo, integrar e relacionar num sistema os elementos que suprimem as necessidades uns dos outros, máximar a re-utilização e a multifuncionalidade de cada elemento, diversificar a origem de cada bem essencial, cooperar, pensar globalmente e agir localmente, valorizar aspectos marginais, não poluir e optimizar recursos, empoderar, criar sistemas auto-regulados, obter o máximo rendimento com a  mínima intervenção, assistir às necessidades urgentes e básicas das pessoas e das comunidades, transformar problemas em soluções, eco-literacia, entre outros.

    Este planeamento minucioso e funcional, integra as linguagens da ecologia, biologia, antropologia, arquitectura paisagista, agricultura ecológica, eco-psicologia, construção natural, tecnologias apropriadas, desenvolvimento local, economia ética, educação social, etc.

    "Vilas em Transição" é uma metodologia para trabalhar à escala de um bairro, freguesia ou município, cujo conceito original nasceu num curso de permacultura em 2006. Com rápida expansão, tem tido grande expressão nas zonas de maior densidade populacional, por responder aos desafios de criar sistemas urbanos mais humanizados, resilientes e sustentáveis.

    Num contexto de crise social e económica, e de recorrente aumento do custo dos factores de produção, o planeamento ecológico assente na permacultura poderá ser uma mais valia para adequar as organizações e as estruturas produtivas aos desafios que se adivinham a médio e longo prazo, sejam eles, o acesso à água e a contaminação dos lençóis freáticos, a desertificação e perda de solos férteis, o pico do petróleo, o aumento dos fenómenos meteorológicos extremos, o aumento da toxicidade na cadeia alimentar, o crescimento demográfico e do desemprego, a injustiça ecológica e social.


    Exemplos, em Portugal, que podem inspirar planeamentos em permacultura:

    O livro “Amoreiras – Permacultura para uma aldeia”
    Realizado entre 2010 e 2013, propõe uma visão global e medidas práticas para a Aldeia das Amoreiras, no concelho de Odemira. Tem edição prevista para Maio de 2014.


    O Centro de Convergência
    Um projecto de desenvolvimento local e de animação socio-educativa, em meio rural desertificado, fazendo a ponte entre a cidade e o campo.

    Documentário "Alface"
    O que gosta mais aqui na sua horta?
 Esta foi a pergunta que iniciou algumas das conversas registadas no filme. http://vimeo.com/58999047

    O  “Festival Sons, Saberes e Sabores” em Chão Sobral
    Um evento de escala familiar e local para uma aprendizagem intergeracional e educação não-formal, numa aldeia com 100 habitantes na Serra do Açor.

    A Comunidade de Trocas Estrela
    Uma comunidade de pessoas dedicadas à revitalização da economia local usando uma moeda de troca alternativa e complementar. http://estrela.e-beira.com/


    Internet
    Em Portugal


    (1) MOLLISON, B. e HOLMGREN, D. Permaculture One: A Perennial Agriculture for Human Settlements. Austrália. Transworld Publishers, 1978
    (2) MOLLISON, B. Permaculture: A Designers` manual. Austrália. Tagari Publications, 1988

    João Gonçalves
    30 de Abril de 2014


    sexta-feira, 4 de abril de 2014

    Milk Goats for sale Chao Sobral - Oliveira do Hospital





    In Chao Sobral: 2 adult goats for sale,
    price is negotiable.

    They are good for milking and are small sized.

    Will send photos later for those who ask. joaovox @ gmail.com
    Please forward to other people who might be interested.